EXPOSIÇÃO | Para Sair de Casa

SOBRE A EXPOSIÇÃO

“Para Sair de Casa” é sobre tudo aquilo que nos acontece e que muda tudo à nossa volta, questionando a falácia do tempo em linearidade. A história não acontece como causa e consequência e, isso, é uma abertura para infinitas possibilidades. A exposição reúne os trabalhos de artistas da gravura que não se limitam às peculiaridades da técnica.

Nas obras reunidas, a bidimensionalidade e a reprodutibilidade, características da gravura, são exploradas de maneiras inusuais e de forma ilimitada, assim como o significado da palavra “casa” para cada pessoa. Uma casa pode ser um teto, objetos, um corpo, a natureza, a ocupação de um espaço, uma pessoa, a espiritualidade, um lugar… Para cada uma das artistas da exposição, esse espaço – a casa – pode ser percebido ao observar com atenção a linguagem utilizada e os desafios para sair do lugar-comum.

 

Press release Texto Curatorial

SOBRE AS ARTISTAS

Elisa Arruda (1987) é uma artista visual nascida na região amazônica do Brasil, em Belém do Pará. É Mestre em Arquitetura e Urbanismo pela FAU-USP (2017) e atualmente vive e trabalha entre Belém e São Paulo.

O interesse poético de Elisa tem como cerne a condição da mulher, sobretudo pelos relevos e camadas de tempo que a vida acrescenta ao corpo e espaço feminino. Os temas ligados à memória, laços de afeto, rupturas, maternidade, habitação, vida cotidiana e ao amadurecimento estão subscritos em suas obras.

Seus trabalhos reverberam a poesia lida, a música e a memória a partir de reelaborações e estudos. Suas obras se apresentam como relatos expressos em gestualidades pictóricas. Em seu percurso o desenho foi o ponto de partida, porém ao longo dos anos diferentes linguagens surgem como possibilidades expressivas.

Atualmente, Elisa faz fortemente uso da gravura em metal, pintura e instalações com mobílias manipuladas, objetos e matéria física do seu cotidiano.

Indicada ao Prêmio PIPA 2021. Foi premiada recentemente pelo 32º edital de exposições do CCSP (2022), Prêmio Branco de Melo de pautas de exposições da FCPTN – Belém PA (2022), 1° Prêmio Marcello Grassmann – Artes Gráficas (2021), pelo Edital de Pautas do Espaço Cultural do Banco da Amazônia (2021), participou do 48º Salão Sacilotto (2020), Salão de Itajaí (2018) e recebeu a Bolsa de Pesquisa e Experimentação da Casa das Artes do Pará (2017).

Esteve em diversas exposições coletivas e individuais sob a curadoria de Alexandre Sequeira (PA), Vânia Leal (PA), Julia Lima (SP), Renato de Cara (SP) e Yohana Junker (EUA).

Site: https://www.premiopipa.com/elisa-arruda/

Instagram: https://www.instagram.com/elisaarrudaaa/

 

Kika Levy (São Paulo, 1963) vive e trabalha em São Paulo, Brasil.

Formada em Desenho Industrial pela FAAP (Fundação Armando Álvares Penteado), em 1985. Pós-graduada em Artes Plásticas pela FASM (Faculdade Santa Marcelina), em 2000.

Em seu trabalho, Kika Levy explora com delicadeza e precisão sua busca inesgotável pela aproximação com a essência da sua fonte de inspiração. Seja pela geometria exata de cubos e icosaedros ou pela natureza indomável de plantas e nuvens, transita entre o racional e o intuitivo, o exato e o impreciso. Desde 2006 coordena o Espaço Atelier [Cris Rocha e Kika Levy] que além de atelier das artistas, oferece workshops, projetos na área de artes e exposições. Com o projeto educativo “O que é uma gravura?” desenvolve workshops e palestras em escolas. Ministra aulas de gravura e aquarela em seu atelier e também em Sesc e ateliers públicos. Participa regularmente de exposições no Brasil e exterior.

Site: www.kikalevy.art.br

Instagram: https://www.instagram.com/kikalevy/

 

Eneida Sanches nasceu em Salvador, Bahia. Mora e trabalha em São Paulo desde 2017. Graduou-se em Arquitetura e Urbanismo pela UFBA, além de realizar cursos livres na Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia. Em 1990, passa a pesquisar e produzir ferramentas de uso litúrgico do candomblé yorubá, onde a estética africana e afro-brasileira aparecem em forma de símbolos que contam histórias. Entre 1995 e 2000, estudou gravura em metal nas Oficinas do Museu de Arte Moderna da Bahia.

Em 2000 apresenta obras relacionadas ao tema do Transe e passa a usar a gravura na forma de objetos e instalações. De 2000 até 2015 criou e coordenou o Circuito das Artes e Triangulações. A partir de 2011, reúne gravuras e vídeo-instalação através da série Transe – Deslocamento de Dimensões em um trabalho colaborativo com o fotógrafo e videomaker Tracy Collins (NY).

Foi indicada ao Prêmio PIPA de 2015 e participou da 3ª Bienal da Bahia. Em 2021 foi artista convidada no Centro Cultural São Paulo (CCSP) e participou da Mostra Modernistas Desde Aquí no Paço das Artes, em São Paulo. Em 2022 participou da mostra 37º Panorama MAM das Artes Visuais e expôs no Contemporary Center for Arts em Rockland, Maine, EUA.

A artista recebeu o prêmio do XXIV Salão de Artes MAM Bahia e participou de residência na Holanda (2008),  Tanzânia (2014) e Portland EUA (2019). Tem seus trabalhos publicado em: Revista N/Paradoxa (Olabisi Silva), Revista Contemporary&, com texto de Alexandre Bispo, e  Revista Transition de artistas negros e latinos em Boston EUA.

Site: www.lazygoatworks

https://www.pipaprize.com/pag/eneida-sanches/

Instagram: https://www.instagram.com/eneida.sanches/

 

Cleiri Cardoso é artista visual e professora, com Licenciatura em Artes Plásticas pela Faculdade de Artes do Paraná (2001) e Mestrado em Poéticas Visuais pela Escola de Comunicação e Artes da USP (2014). Vive em São Paulo onde desenvolve trabalhos no eixo da imagem impressa e repetida e suas conexões com a fotografia e com o vídeo.

Integrou o Grupo dragão de gravura – xilogravura e intervenção urbana – com o qual participou da exposição “a gravura coletiva do grupo dragão” pelo Programa de Ações Itinerantes SESI 2005. Integrou o grupo proponente do Projeto volante – gráfica e intervenção urbana – 2009/2015 – premiado na 8ª edição do programa Rede Nacional Funarte Artes Visuais.

Entre as exposições mais recentes que participou estão: “Registros” com curadoria de Ricardo Resende e Lahir Ramos, no Museu da gravura da Cidade de Curitiba, 2020; “Xilo, corpo e paisagem”, com curadoria de Claudio Mubarac, no Sesc Guarulhos e no Sesc Pinheiros em São Paulo, 2019/2020; “habitar a paisagem” na Oficina Cultural Oswald de Andrade em São Paulo, 2019/2020; Reading cities: Plana at Art Book in China, Modern Art Museum, Shanghai, 2018; “Tendências do livro de artista no Brasil, 30 anos depois” com curadoria de Amir Brito Cadôr, no Centro Cultural São Paulo em 2015; “em direto”, com curadoria de Paulo Miyada, na Oficina Cultural Oswald de Andrade e unidades do Sesc SP, 2015/2016.

Site: https://cleiricardoso.wordpress.com/

Instagram: https://www.instagram.com/cleiricardoso/

 

SOBRE A CURADORA

Ana Carla Soler é graduanda em História da Arte pela UERJ, graduada em relações públicas pela Faculdade Cásper Líbero, pós-graduada em Direção e Gestão de Marketing pela Universidade de Barcelona. Tem sua pesquisa direcionada à presença das mulheres no ensino e sistema da arte e busca trazer reflexões sobre os apagamentos históricos, possibilidades de releituras e novas narrativas para a história e o sistema em que a produção artística está inserida.

É iniciante em pesquisa científica pela UERJ e co-criadora do projeto “Elas Estão Aqui” (@elasestaoaquinaarte). Atualmente é responsável pela programação de exposições do Espaço Villa Mandaçaia, pelas exposições do acervo de arte do Centro Cultural da Diversidade, consultora de estratégia para institutos de arte e ministra cursos de comunicação digital para artistas e espaços de arte no Instituto Adelina e nas Oficinas Culturais Oswald de Andrade.

Foi a curadora selecionada do Edital OMA Galeria de 2022 e fez a curadoria das exposições “Nós Dizemos Resistência” no Centro Cultural da Diversidade e “É preciso ultrapassar” na Villa Mandaçaia. Também foi assistente de curadoria nas exposições “Projeto Mirante”, no MAC Niterói, e “MITA: cosmologias da Diversidade”, no Centro Cultural da Diversidade, com o artista e curador Felippe Moraes e na “Ministério da Solidão”, nas Oficinas Culturais Oswald de Andrade, e “Ser Paisagem”, no Massapê Projetos, com a curadora Julia Lima. Atuou nas exposições “Espaços do Ainda” no Paço Imperial – RJ com o professor e curador Luiz Cláudio da Costa e em “Forma Temporale” no Museu Nacional de Belas Artes com a artista italiana Martina Merlini.

 

ABERTURA: 09.11.2022, das 17h  às 20h

Visitação até 10.12.2022

segunda a sexta, das 10h às 20h; sábados, das 12h às 18h

Local: Oficina Cultural Oswald de Andrade – Rua Três Rios, 363 – Bom Retiro -São Paulo/SP
ENTRADA GRATUITA

 

VISITAS EDUCATIVAS

Além de mediações ao público espontâneo durante todo o expediente da exposição, a Adelina Instituto oferece visitas para grupos a partir de 6 anos de idade, mediante agendamento. As visitas são gratuitas e podem ser realizadas para grupos de até 20 pessoas, com duração média de 1h.

 

AGENDAMENTO DE GRUPOS

Para agendar uma visita em grupo, basta enviar um e-mail para [email protected] com data e horário da visita, número de pessoas e nome do responsável pelo grupo. A visitação em grupos é gratuita, mediante agendamento, no horário de visita da exposição.

 

PROGRAMAÇÃO PARALELA

O Adelina Instituto também oferecerá programação paralela durante a exposição, que compreenderá programas públicos com debates e atividades práticas para diferentes públicos.

 

ATIVIDADES PRESENCIAIS

Oficina de Jogos em Gravura, com a artista Ana Takenaka

Público: Crianças de 5 a 12 anos

Data: 26/11 – sábado, das 14h às 16h

 

Oficina de carimbos, com a artista Cleiri Cardoso

Público: Geral a partir dos 7 anos

Data: 10/12 – sábado, das 14h às 16h

Local: Oficina Cultural Oswald de Andrade | rua três rios, 363 – bom retiro são paulo – sp

Inscrições a partir de 09.11 pelo http://sympla.com.br/adelina

Atividades gratuitas – Vagas limitadas

 

ATIVIDADES ON-LINE

Encontro | TRANSE enquanto processo, com a artista Eneida Sanches

On-line pela Plataforma ZOOM :: Participação mediante inscrição gratuita

Data: 19/11 – sábado, das 14h às 16h

 

Conversa com artistas e curadora da exposição Para Sair de Casa

On-line pela Plataforma ZOOM :: Participação mediante inscrição gratuita

Data: 29/12 – terça-feira, às 19h

 

Inscrições a partir de 09.11 pelo http://sympla.com.br/adelina

Atividades gratuitas – Vagas limitadas

 

Ficou com alguma dúvida?

Será um prazer conversar com você!

Envie um e-mail para [email protected] ou Whatsapp: +55(11) 94812-3175