Luz inscrita. Imagem incerta – Andrei Thomaz

Período: 07.06.17 a 22.07.17

Horário de visitação: de terça à sexta, das 10h às 19h; sábados, das 10h às 17h.

Em sua primeira individual na Adelina Galeria, Andrei Thomaz nos mostra imagens que nunca existiram, feitas a partir de paisagens urbanas capturadas por uma câmera fotográfica, modificadas em tempo real por softwares desenvolvidos por ele. Elementos como a escolha da paisagem, o enquadramento, a luz e outros são definidos pelo artista. Mas, a partir daí, perde-se qualquer previsibilidade sobre o que poderá acontecer com essa imagem. “Não se trata de uma edição ou de um efeito, mas de uma leitura algorítmica das cores”, conta Giselle Beiguelman, curadora da mostra.

A exposição, que fica em cartaz até 22 de julho, traz, em sua maioria, trabalhos inéditos com a temática da interferência a variação da luz e do tempo sobre as paisagens. São três séries que reúnem imagens criadas com o software “Relógio de vela” e um vídeo gerado pelo software “Timelapse”. Em comum, as obras trazem um registro único que vai além do olho e leva ao limite a relação do natural com a tecnologia.

 

Andrei Thomaz (Porto Alegre, 1981) é artista visual e professor. Mestre em Artes Visuais pela ECA/USP e formado em Artes Plásticas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Sua produção artística abrange diversas mídias, digitais e analógicas, envolvendo também várias colaborações com outros artistas, entre as quais encontram-se performances sonoras e instalações interativas.

Foi um dos ganhadores do Prêmio FIAT Mostra Brasil (2006), do Prêmio Atos Visuais da Funarte (2007) e um dos premiados no 63° Salão Paranaense (2009). Ganhou o Prêmio de Ocupação dos Espaços da Funarte (2010), com o projeto Lugares/ Representações, junto com Daniel Escobar e Marina Camargo, e a Bolsa Funarte de Estímulo à Produção em Artes Visuais (2014). Vive e trabalha em São Paulo.